terça-feira, maio 30, 2006

Ferreira dos Santos versus El Roto



Ferreira dos Santos enviou para o Buraco da Fechadura, vai para uma semana, o cartoon de cima. Ficou guardado aqui na na gaveta, mas até parece que o grande humorista de El País veio cá a casa espreitar os arquivos dos pendentes! Ontem, aquele diário madrileno publicava este cartoon de El Roto!

Qualquer cartoonista que tenha uns anitos de actividade já passou por esta experiência de ter a consciência de que não plagiou e, ao mesmo tempo, ter a certeza de que não foi plagiado, não obstante a semelhança das soluções que por vezes acontecem.

Significa que, trabalhando ambos com síntese, e estando ambos atentos ao mesmo fenómeno, o sumo das suas ideias pode facilmente coincidir.

Ferreira dos Santos está de parabéns quando as suas ideias se irmanam com um humorista do talento de El Roto.

Quem são eles

El Roto, aliás Andrés Rábago García de seu verdadeiro nome, nasceu em Madrid em 1947.

Durante o regime de Franco, desenvolveu a sua actividade criativo sob o pseudónimo de Ops nas revistas Hermano Lobo e Triunfo.

Com o heterónimo Ops ou com a assinatura que hoje usa, já colaborou com Ajoblanco, Cuadernos para el Diálogo, El Independiente, El Jueves, El Periódico de Catalunya, Hermano Lobo, Triunfo, Informaciónes, La Codorniz e, presentemente, El País.

Apesar deste curriculum, El Roto não aprecia que lhe chamem humorista. Prefere dizer que pratica a sátira, onde o humor pode ter cabimento, como acontece com muitas outras coisas.

Tem livros editados, guiões criados, trabalhos de cenografia, enquanto mantém a sua colaboração diária em El País, em regra reflectindo criticamente sobre a realidade social, cujos cartoons frequentemente reunem a ternura com uma desapiedada visão da vida e das suas contradições.

Em Novembro de 2005, foi galardoado em Alcalá de Henares com o Prémio Quevedos, uma espécie de "nobel" para caricaturistas. É dessa altura, a foto anexa, da autoria de Zé Oliveira.

.

FSantos, aliás António Ferreira dos Santos, nasceu em Cucujães (Oliveira de Azeméis) em 1948. Licenciado em Arquitectura pela Escola Superior de Belas Artes do Porto, publicou os seus primeiros cartoons em A Voz Portucalense quando tinha 20 anos, após o que se seguiu uma vasta lista de jornais: O Regional de S. João da Madeira, A Razão, o Público, Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Jornal das Beiras, O Jogo, Fiel Inimigo, Trevim, O Comércio A Peneira (Galiza).

O Instituto Nacional do Ambiente publicou dois conjuntos de gravuras de sua autoria: Mupivisões e Urbanovisões. São dois trabalhos interessantes onde a sua formação académica consolidada na prática profissional se conciliam excelentemente com a sua condição de humorista gráfico.

Publicou há anos o livro Dedo na F'rida e está a preparar outro, tendo também feito sucesso os seus postais ilustrados Os Mijões.

Já foi galardoado com vários prémios: em 1989 no Salão Nacional de Caricatura, em 1996 com o Prémio Nacional BD de Imprensa, em 1998 em Tenerife (Espanha).

Tem um vasto conjunto de participações em Salões: Irão, Croácia, Rússia, Eslováquia, Espanha, França, Itália, Reino Unido, Turquia, Japão, etc.

Ultimamente, é o mais regular colaborasdor do Buraco da Fechadura.

4 comentários:

Anónimo disse...

Los dos blogs portugueses que están más al corriente de la actualidad española: el presente y Astrologiaecabala, del Sr. Francisco Limpo de Faria Queiroz

asn disse...

Caro Zé Oliveira

Vou permitir-me copiar/adaptar a sua biografia do F´Santos que, como deve saber, tem enviado variadíssimos cartoons para o "dispersamente" que, como seu autor/editor, não tenho tido capacidade para os publicar a todos, que bem mereciam.
Receba um abraço de parabéns pelo excelente prémio que recebeu recentemente e que vem devidamente referenciado na Imprensa de Leiria, peloa menos (foi a que eu li eh eheh).
António Nunes

asn disse...

Fiquei muito comovido com o seu cartoon da semana pasada do RL alusivo ao Quiné.
Não podia ser mais oportuno e apropriado!
Asn

asn disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.