segunda-feira, julho 28, 2008


Pela segunda vez
Granada:
Explosão de Humor em Outubro



Com esta cara de pau aqui estou, fotografado em Granada, junto do desenho com que participei na primeira edição do Encontro de Humor daquela cidade que decorreu no ano passado.

Elaborei um apontamento mais simpático do que satírico de Frei Luís de Granada, um dominicano que, ali nascido, acabaria por vir a falecer em Lisboa onde se exilara por ser discordante da Inquisição que, no seu tempo (1505-1588), era mais violenta em Espanha do que em Portugal.

Quando tomou Portugal, Filipe II de Espanha (Filipe I de Portugal) tentou usar a popularidade lusitana de Luis de Granada (que já cá residia) em proveito da ocupação espanhola do nosso país. Luís, que granjeava de simpatia junto do povo e era o confessor da Corte de Lisboa, não esteve pelos ajustes. E respondeu nestes termos (que poderíamos hoje considerar premonitórios da formação da Comunidade Europeia) "Não sou castelhano nem português, sou frade se S. Domingos".


Foi este Luís, totalmente desenhado em Photoshop por Zé Oliveira, a participação de Portugal no Primeiro Encontro Internacional de Humoristas Gráficos de Granada (2007)

______________

Aberto aos caricaturistas de todo o Mundo
II Encontro Internacional
de Humor Gráfico em Granada


24, 25 e 26 de Outubro de 2008



Durante o II Encontro será organizada a exposição “Granada – Semana Santa Internacional” e será editado um catálogo com as obras seleccionadas. O Encontro Internacional conta com o apoio da Autarquia de Granada, da Junta do Distrito de Granada e da Universidade de Granada.

1 – A convocatória está aberta a desenhadores e humoristas gráficos profissionais e amadores de todo o mundo.

2 – O tema do II Encontro é “A Semana Santa de Granada”. Mais informações sobre o tema, na página web
www.creatorio.com

3 – Os participantes podem enviar, no máximo, 3 obras. As obras podem ser realizadas utilizando qualquer técnica. Tamanho A4 paisagem (297 mm largura x 210 mm altura).
Embora seja recomendado enviar cartoons sem diálogo, aceitam-se textos em qualquer idioma desde que seja anexada a sua tradução para espanhol ou para inglês.

4 – As obras devem ser enviadas em 300 dpi, formato JPG, por correio electrónico a
granada@martinfavelis.com. Deve-se enviar também uma fotografia ou caricatura do autor com as mesmas características.

5 – Devem anexar-se também (num documento WORD) os seguintes elementos:

Nome e apelidos do autor.
Nome com o qual assina os cartoons.
Morada completa.
Endereço de correio electrónico e telefones.
Breve curriculum indicando as publicações com as quais trabalha actualmente.

6 – Com uma selecção das obras recebidas será realizada, dentro da programação do II Encontro, a exposição “Granada – Semana Santa Internacional”, no Centro Municipal de Arte Jovem Rei Chico. Igualmente, a exposição poderá ser mostrada de forma itinerante em outros actos ou eventos, nacionais ou internacionais, relacionados com o turismo, onde participe a Autarquia de Granada.
Também serão expostas na Internet na página web
www.creatorio.com

7 – Será editado um catálogo com as obras seleccionadas. Os autores que tiverem suas obras incluídas no catálogo receberão um exemplar do mesmo.

8 – A organização comunicará, através da página web do Encontro, ou através de correio electrónico, a relação dos participantes cuja obra foi recebida e a lista das seleccionadas para a exposição e o catálogo.

9 – O prazo para recepção das obras termina no dia 14 de Setembro de 2008.

10 – O envio da obra implica que o autor/a autoriza à Autarquia de Granada a reprodução e difusão (edição de catálogos, cartazes, trípticos, difusão na imprensa, página web, etc.), sem que isso implique nenhuma obrigação de nenhum tipo com o autor/a.

11 – A participação neste II Encontro supõe a aceitação integral do presente regulamento. Qualquer dúvida que possa surgir será resolvida pela organização do Encontro.

.24, 25 e 26 de Outubro de 2008:

II Encontro de Humor de Granada

Em 2007, decorreu a primeira edição do Encontro de Humor de Granada. Buraco da Fechadura esteve lá e tem documentos que o comprovam

Regra número um: um Encontro de Humor tem de ser uma coisa divertida; signifique isso o que significar.

Regra número dois: Humor é um ponto de encontro entre quem emite e quem recebe.

Durante o Primeiro Encontro de Humor de Granada, em 2007, uma das acções do programa decorreu na praça que fica defronte do restaurante de Luís. Meteu sessão de desenho de caricaturas ao vivo, com uma das estações de TV granadinas a transmitir em directo e fazendo inclusivamente uma mesa redonda com o tema "caricatura" a partir do local.

A primeira caricatura que me coube desenhar em público foi a de Luís. Palavra puxa palavra, quem é usted, o que faz, e tal, sou o Luís, proprietário deste restaurante aqui em frente, me gusta mucho caricatura, tenho várias na decoração do meu restaurante, e continuámos a conversa. Fiquei a saber que é amigo pessoal de Martinmorales, o cartoonista diário do ABC (de Madrid).

Daí a meia hora, estava o Luís a apresentar-me o Martinmorales (que aparece aqui na foto, entre mim (que estou em primeiro plano) e o Fer (da El Jueves). Estamos a ser fotografados já no balcão do restaurante do Luís, que fez questão de me oferecer uma peça de cerâmica artesanal identificativa do seu Restaurante Chikito (imagem mais acima). Porque Humor é dar e receber. Eu dei-lhe uma caricatura, ele deu-me um azulejo. E as cervejas! E as tapas!

Vemo-nos em Outubro, amigo Luis!

E renovamos o negócio!

Z. O.

domingo, julho 20, 2008


Conferência amanhã, 18h00, por Osvaldo de Sousa
Leal da Câmara o Caricaturista

Na Casa-museu Leal da Câmara, o Dr. Osvaldo de Sousa promove amanhã, pelas 18 horas, uma conferência intitulada "Leal da Câmara, o Caricaturista".

A apresentação do trabalho insere-se no programa do 60º aniversário da morte do artista e é precedida de visita grátis ao museu a partir das 16 horas.



A Casa-museu Leal da Câmara fica na Calçada da Rinchoa, 67, Rinchoa, Rio de Mouro, e pode ser contactada pelo telefone/fax 219164303.

Osvaldo de Sousa é Historiador de Arte, especializado nas áreas do Humor Gráfico e Caricatura.

quinta-feira, julho 17, 2008

Siné silenciado por censura
Não se pode brincar com o filho
de monsieur le President

Segundo a edição digital de ontem do Liberation.Fr, "o caricaturista francês Siné foi despedido do Charlie Hebdo", porque "Philippe Val, director do semanário satírico, censura o cariucaturista por ter feito numa crónica afirmações antisemitas relacionadas com o futuro casamento de Jean Sarkozy", filho do presidente da República francesa, nascido em Setembro de 1986 e já notado na cena política do seu país.


A decisão de suspender a colaboração de Siné foi tomada na passada Terça e reporta-se a uma crónica publicada em 2 de Julho, na qual o humorista ironisa acerca de uma eventual conversão de Jean Sarkozy ao judeismo através do seu já anunciado casamento com a filha do fundador das lojas Darty.

O director do semanário satírico diz que "Raramente estou de acordo com o que Siné escreve mas ele tem uma latitude à Charlie para exprimir opiniões diferentes das minhas" e acrescenta que "essa latitude é demarcada por um código que rejeita em absoluto todas as atitudes racistas e antisemitas no jornal", concluindo que, segundo sua opinião, Siné ultrapassou esse limite".

Em comunicado publicado ontem pelo Carlie Hebdo, Philippe Val escreve: "Os comentários de Siné acerca de Jean Sarkozy e sua noiva atingem a sua vida privada, dão eco ao boato do falso rumor da sua conversão ao judeismo e ao êxito social e isso não é aceitável nem defensável perante um tribunal".

Do Eliseu não saíu nenhum comentário e o jovem Sarkozy tem mantido o mesmo silêncio.


Siné, que já pertencera à série anterior de Charlie Hebdo, colaborava na série presente desde o seu reaparecimento, em 1992. Ao ser convidado a comentar, afirmou: "O Val queria pedidos de desculpa a Jean Sarkozy e à família Darty. Eu perguntei-lhe se ele não estava a gozar com a minha cara. Preferia cortar os tomates". E acrescentou: "Condeno que Jean Sarkozy se converta por oportunismo. Se ele se convertesse à religião muçulmana por casar com a filha de um emir, era a mesma coisa. E (a filha de) um católico, igual, eu nunca favoreci os católicos".

Ilustrações:
Cartoons de Siné, que estiveram expostos no Salão Nacional de Caricatura de Porto de Mós - 1988, no qual o conhecido humorista francês foi convidado especial.
São reproduzidos a partir do respectivo catálogo.

quarta-feira, julho 16, 2008

.



Despedido do Charlie Hebdo
Siné vítima de censura
O Caricaturista francês Siné, de 79 anos, foi despedido do Charlie Hebdo em consequência de uma crónica que satirizava Jean Sarkozy.
O alerta chegou a Buraco da Fechadura por amabilidade de Leonardo de Sá.

Voltaremos au assunto.

domingo, julho 13, 2008

Vila Real - Salão Luso-Galaico de Caricatura

Prémios entregues ontem

Foram entregues no serão de ontem, em Vila Real, os prémios do XII Salão Luso-Galaico de Caricatura cujo tema era Rádio e Televisão.

Conforme já divulgado pelo Buraco da Fechadura em post mais abaixo, o 1º Prémio galardoou José Bandeira, cabendo o segundo a Michel Casado e o terceiro a Santiago.

Seguem alguns momentos da entrega dos prémios:

V video

Uma no Cravo e outra na Ferradura

Uma no Cravo: O operador conseguiu um enquadramento mais ou menos.

Outra na Ferradura: Não se apercebeu de que a iluminação era insuficiente para que o vídeo tivesse o mínimo de qualidade aceitável.

O filme termina com o... caçador caçado. Entenda-se: com o Ferreira dos Santos "Santiago" filmado a filmar. E começara com Osvaldo a entregar o Grande Prémio do XII Salão Luso-Galaico de Caricatura a José Bandeira, autor do "Cravo e Ferradura" no Diário de Notícas e o "Não me Lembra Agora" no Jornal de Notícias ("Bandeira de Canto", creio, mas com dúvidas...)

Foram distinguidos com menções honrosas Gogue e Franjo Padin.

video

terça-feira, julho 01, 2008

Centenário de Alexandre Bóveda
Jovens galegos homenageiam herói com BD, caricatura e ilustração
Após a instauração do franquismo em Espanha, foram trespassados pelas armas entre 27.000 a 30.000 rebeldes que recusavam a ditadura que prolongava na península, através de Franco, os desígnios de Hitler e Mussolini. Alexandre Bóveda foi uma dessas vítimas, que iam sendo eliminadas selectivamente. Jovem de 33 anos e com cinco filhos, era Secretário de Organização do Partido Galeguista. E, em face da sua rebeldia perante o regime repressivo, foi vítima da operação de limpeza ideológica. Levado para um sítio ermo pelas forças muilitares, foi amarrado a um pinheiro e fuzilado com quatro tiros. Era o começo da manhã de 17 de Agosto de 1936.
Esse dia passou a ser Dia dos Mártires Galegos e é justamente Alexandre Bóveda, nascido há 100 anos, que a Amencer - Associación Xuvenil pretende recordar, estando a preparar um livro que se chamará Cousas sobre Bóveda e será ilustrado por desenhos, caricaturas, tiras ou BDs que a referida associação está a pedir aos artistas galegos e portugueses.
Será um trabalho semelhante a um outro que a mesma asociação já preparou com o título Cousas sobre Castelao, com a participação de mais de 15 ilustradores.